Se você tem ou está começando o processo de criação de uma loja virtual, você provavelmente sabe que existem várias estratégias de marketing para e-commerce que podem ser feitas.

Além disso, aliar suas estratégias com as ferramentas certas para crescer seu negócio é fundamental para resultados positivos,

A grande verdade é que não existe uma “receita de bolo” específica para isso, pois existem muitas variáveis específicas para cada e-commerce, como, quais produtos serão ofertados, qual o público alvo, qual a região que será atendida, entre uma série de outros pontos.

Contudo, neste post, vamos mostrar as principais estratégias de marketing para e-commerce com o objetivo de fazer com que você possa pensar diferentes formas de aparecer e ser lembrado pelo seu cliente, confira!

Confira as principais estratégias de marketing para e-commerce

1.       Tenha uma forte presença nas redes sociais

2.       Pense em estratégias fora da caixa

3.       Segmente seu público alvo

4.       Construa conteúdos que possam viralizar

5.       Utilize o BullsEye Framework

6.       Faça a análise do seu funil e da sua taxa de conversão

LQRYScZYeBG i419H4k2rP68CrvPnhDEuGndGKJc2Lu4AsjPKc3gLdFPGx3yBasPz7D 2ov6whJkhLeUCUT7kD6U 3A T7tV6d2Be3

1)      Tenha uma forte presença nas redes sociais

Quando falamos sobre ter uma forte presença nas redes sociais, ela está muito mais voltada para qualidade do que quantidade de redes sociais utilizadas.

Dessa forma, o ideal é que você identifique quais as principais redes sociais onde seu cliente está presente e foque nelas, pois estar em lugares onde sua marca não vai ser reproduzida é uma grande perda de tempo.

Para saber onde o seu conteúdo melhor se adapta e impacta o seu público-alvo, é importante se ater a um estudo da plataforma, principalmente em redes sociais que possuem um perfil de público mais segmentado, como Pinterest e TikTok. O passo a passo pode ser o seguinte:

  • Pesquisas qualitativas: há relatórios de perfis demográficos dos usuários das diferentes redes sociais disponíveis. Busque estudá-los e anote as características (gênero e faixa etária, por exemplo) que predominam na persona de cada canal de mídia online.
  • Faça uma conta: agora é a hora da prática. Comece criando seu perfil.
  • Comece a seguir contas relacionadas e criar uma comunidade segmentada: todas as redes sociais possuem um algoritmo que te permite estar rodeado de usuários e conteúdos que sejam coerentes com o seu perfil. Por isso, comece seguindo perfis e curtindo publicações chaves que sejam relevantes para a construção de uma comunidade relacionada à razão social da sua marca. Ou seja, se você tiver uma loja de móveis, busque seguir páginas de decoração e arquitetura, pessoas interessadas nessas áreas, e curtir postagens sobre o assunto.
  • Observe o comportamento e a interação do público: agora que já possui uma comunidade mais personalizada em sua rede, passe a observar com o que eles interagem com mais frequência. Ferramentas de análise, como o mLabs, podem ajudar bastante no acompanhamento de uma rede social e geração de insights.
  • Trace o perfil do público com a persona da sua empresa: faça um paralelo entre o comportamento da sua persona ideal e tente combiná-la com as preferências de conteúdo do público segmentado da sua rede social. 

Com essa análise final, você terá de ponderar se a sua presença neste canal de mídia é realmente necessária ou um investimento irrelevante de tempo e dinheiro.

No entanto, fique atento. Às vezes, a segmentação de público que você usou no seu estudo não foi coerente com seu nicho de mercado. Por isso, busque traçar uma persona estratégica antes de iniciar o processo.

Afinal, como sei se deu certo ou errado?

A partir do momento em que você traçar a comparação do perfil encontrado na rede social e sua persona ideal, questione o seguinte:

  • Faz sentido para minha marca produzir o conteúdo que o público está consumindo?
  • O conteúdo criado pela marca pode parecer forçado para o perfil demográfico do canal de mídia?
  • O conteúdo poderia confundir a razão social da minha marca?
  • Você consegue ver o público reproduzindo o conteúdo dentro e fora da plataforma?
  • E por fim, o tempo gasto traria retornos consideráveis?

Se após esse exercício, os resultados forem positivos, já pegue um papel e uma caneta e comece a pensar em conteúdos e estruturar seu calendário editorial.

Lembre-se que pode ser melhor focar na estratégia em 5 redes sociais que façam sentido para sua marca, do que produzir um calendário para 10 que esgotaria seu tempo e te deixaria exausto.

Quer conhecer melhor algumas das principais redes sociais?

Para te ajudar na pesquisa, produzimos um infográfico com peculiaridades de 6 dos principais canais de mídia online.

tabela com dicas sobre estratégias, pros e contras das redes sociais

Há, ainda, o Pinterest, que vem ganhando cada vez mais espaço dentre os mercados de nicho.

Mesmo que a maioria dos usuários da plataforma sejam mulheres, a taxa de crescimento no número de cadastros de homens já é consideravelmente maior.

A rede social é bem conhecida como fonte de referência para nichos de Móveis e Decoração, Moda e Brindes. E serve principalmente para o lançamento de tendências e inspirações para o consumidor final.

Em alguns países, a plataforma já começou a usar tags para vender os produtos expostos nas fotos, o que pode ser aderido pelo mercado brasileiro a qualquer momento. 

Nessa plataforma, aliás, é bom investir na qualidade das fotos, já que os conteúdos são totalmente visuais. Importante, também, hiperlinkar seu site nas melhores fotos, para que elas guiem os usuários para sua página.

Visto que nos marketplaces as fotos devem ser dispostas em fundos brancos e apáticos, o Pinterest pode ser uma oportunidade para expor as mercadorias de forma mais atrativa.

Qual a tendência mais importante nas redes sociais?

A humanização das marcas é, sem dúvida, a tendência mais relevante em publicidade e propaganda e gerenciamento de empresas. 

As redes sociais, por sua vez, são ótimas ferramentas para isso.

As marcas precisam chegar no público, interagir com eles, e mostrar seus valores organizacionais. O que vende, hoje, são ideias, não produtos!

2)      Pense em estratégias fora da caixa

Postar no instagram, anunciar no Google, Facebook, fazer publicações em blog post e uma série de outras ações são comumente realizadas por várias empresas e lojas virtuais.

Dessa forma, para se diferenciar dos concorrentes, o ideal é que você pense em estratégias fora da caixa para atingir seu público alvo.

Influenciadores digitais

Com a expansão do uso das redes sociais e o aumento da relevância do digital, muitas empresas apostaram na divulgação de suas marcas por meio de influenciadores digitais. O diferencial das #publiposts é a confiança vinda da pessoa, que apresenta o produto ou serviço patrocinado como uma recomendação “amiga“ aos seus seguidores. Com lógica semelhante ao boca-a-boca, a influência das personalidades traz autoridade e impactam na visão dos consumidores sobre o negócio!

e6WXNgYTrSbsv2zQGkL95i3nKpBGv5PbSe0aivJom7n28TmTPpZVelYyaBlOLBuwNkONfqoJjCCpU3sV1PVlGs0dA7mLwkicjk33XFlwtfZUjZG Kg55xD vS1CY RzfiuV8lnJt

Algumas marcas estão utilizando de micro e nano influenciadores na internet para divulgação. Com isso, eles conseguem atacar um nicho de clientes específicos, em uma determinada região e focar em “conquistar aquele território”. Para escolher o melhor tipo de influenciador para sua campanha, saiba qual seu objetivo, selecione influenciadores com valores semelhantes ao do seu negócio, e apresente sua marca com naturalidade! 

Além desse exemplo, existem diversas outras formas de atingir seu público através de maneiras não convencionais e conseguir se distinguir da concorrência, isso é extremamente válido principalmente para mercados onde existe uma grande concorrência.

3)      Segmente seu público alvo

Dentro de um e-commerce, é muito comum que você venda vários produtos e que alguns deles estejam focados em determinado público alvo e outro é mais comprado por um público similar ou até mesmo um completamente diferente.

Baseado em dados, você pode entender qual o perfil de pessoas que mais compram determinados produtos e fazer uma comunicação específica, seja através de anúncios ou posts para aquele público.

Dentro de plataformas como o Google Ads e o Facebook Ads, é possível direcionar seus anúncios para públicos personalizados. Assim, pode-se traçar uma comunicação, por exemplo, para sua lista de clientes, lista de leads, pessoas que visitaram sua página, entre outros. Do mesmo modo, dentro do Facebook Ads, é possível criar anúncios direcionados para pessoas que já interagiram com a sua marca anteriormente, viram vídeos de seus anúncios, engajaram nas suas redes sociais, ou marcaram presença em um evento seu. 

Com isso, você vai conseguir falar especificamente para aquela persona, personalizar a comunicação e fazer com que o seu cliente sinta que aquele post ou anúncio foi feito para ele, aumentando a sua taxa de conversão.

4)      Construa conteúdos que possam viralizar

Construir conteúdos que podem viralizar é importante, não só no começo, mas também para lojas virtuais mais maduras. Para fazer eles, como falado no segundo tópico, você tem que conseguir entender o que a concorrência não está fazendo e pensar fora do que está sendo feito no mercado.

Contudo, isso não necessariamente precisa ser complexo, você pode, por exemplo, construir um bom ebook, com uma landing page que esteja bem estruturada e divulgar ele nas suas redes sociais e através de anúncios.

Se o conteúdo dele for muito bom, relevante para a sua persona e se não existir algo similar ou tão profundo quanto o seu material disponível de maneira gratuita, há uma grande chance desse conteúdo viralizar, se ele for divulgado da forma correta e para a persona certa.

Além de um ebook, qualquer outro tipo de material rico pode ser construído como conteúdo viral, como, um vídeo, um podcast e vários outros, o ideal é que você consiga estruturar e mapear muito bem esse material e entender qual a melhor forma de produzir ele e em que formas a sua persona gosta de consumir conteúdo.

5)      Utilize o Bullseye Framework

O Bullseye framework é uma estratégia que reúne as principais formas de conseguir chegar a um cliente, sendo ele bastante utilizado por profissionais de growth hacking. A imagem abaixo mostra os principais canais de vendas que você pode utilizar, cabe ressaltar que  nem todos eles são de inbound marketing. 

modelo bullseye framework ecommerce

Essa metodologia funciona da seguinte forma:

  1. Você vai definir três canais para testar por um determinado período de tempo
  2. À medida que você conseguir obter os primeiros resultados, vai poder entender quais ainda fazem sentido e quais não fazem.
  3. O ideal, para não se perder é estipular metas e entender que alguns canais, como o SEO, funcionam a médio-longo prazo, outros são possíveis de se avaliar no longo prazo.

A partir disso, você vai poder definir quais são os canais de aquisição de clientes que mais funcionam para a sua empresa e quais aqueles que você ainda não testou.

Os principais canais listados pelos autores do livro “Tração” dos autores Gabriel Weinberg e Justin Mares, são:

  1. Blogs Especializados
  2. Publicidade
  3. Relações Públicas
  4. SEM
  5. Social Ads
  6. Anúncios Offline
  7. SEO
  8. MArketing de Conteúdo
  9. E-mail Marketing
  10. Engenharia como Marketing
  11. Desenvolvimento de Negócios (Parcerias)
  12. Vendas
  13. Programa de Afiliados
  14. Plataformas existentes
  15. Feiras de Negócios
  16. Eventos
  17. Palestras
  18. Criação de Comunidades

Quer ver um pouco mais sobre o assunto, assista o vídeo abaixo feito pela Tahiana D’Egmont da Growth Leaders Academy.

6)      Utilize uma ferramenta para recuperação de carrinho abandonado

Em alguns e-commerces, o gargalo pode estar acontecendo na última etapa de compras, quando o cliente coloca tudo no carrinho, mas não fecha o pedido por algum motivo. Dessa forma, utilizar uma ferramenta para recuperação de carrinho abandonado é essencial para conseguir converter esses leads perdidos no final do funil, onde faltou só clicar em um botão para finalizar a compra.

Dentro dessa lógica, é possível re-impactar esse público com anúncios que resolvam uma possível objeção que tenha levado a desistência. O problema foi o preço do produto? Comunique uma promoção! Foi o frete? Rode uma campanha que anuncie frete grátis, caso ela esteja acontecendo no seu site. 

É muito importante que você entenda a jornada do cliente para comprar um produto no seu site e consiga identificar quais são os potenciais gargalos que podem estar acontecendo. Dessa forma, você deve fazer isso de tempos em tempos e também pode utilizar ferramentas como o Hotjar para entender como o cliente está agindo durante o fluxo de compra no seu e-commerce. 

7)      Faça a análise do seu funil e da sua taxa de conversão

Todas as estratégias citadas acima estão voltadas à aquisição de clientes e este último tópico se refere à parte de análise de funil e da taxa de conversão entre as etapas dele. Dessa forma, é muito importante que você tenha definido todo o seu funil e consiga analisar como está a conversão dele.

Você pode inclusive usar dados de benchmark do mercado para se basear nas taxas ideais para um e-commerce e entender quais são os gaps que estão no seu funil, se a conversão está baixa no topo, no meio ou no final.

A partir dessa análise do funil de vendas e da taxa de conversão, você pode fazer ações para otimizar a aquisição de clientes e converter ainda mais aqueles que você já atrai para seu site, rede social ou landing page.

Se você gostou das estratégias de marketing para e-commerce comentadas nesse texto, continue acompanhando o blog da Magis5 para conferir mais conteúdos como esse.

Comentários

Vinicius Ribeiro

Vinicius Ribeiro

Gerente de Marketing no Magis5, mineiro apaixonado por inovação, tecnologia e transformação digital. Para falar com Vinícius, basta enviar um e-mail para vinicius.ribeiro@magis5.com.br