O e-commerce brasileiro foi um dos segmentos em que houve maior crescimento no ano de 2020, principalmente devido à pandemia e por conta do lockdown que ocorreu no primeiro semestre do ano, tanto as grandes varejistas quanto os pequenos foram forçados a melhorar ou a criar canais de vendas digitais para continuar faturando, mesmo com a loja fechada.

Dessa forma, estima-se que no primeiro semestre deste ano, por volta de 7 milhões de novos usuários compraram pela primeira vez através do e-commerce, dessa forma, esse mercado conseguiu avançar e quebrar algumas barreiras existentes no Brasil.

A partir de tudo que aconteceu no ano de 2020, vamos mostrar 10 tendências para o e-commerce para 2021, se você quer saber quais são elas e como elas podem impactar sua loja virtual, leia este conteúdo até o fim.

1. Pagamento Instantâneo

Com o PIX lançado no Brasil a partir de novembro de 2020,  as lojas virtuais poderão utilizar esse tipo de serviço para facilitar as vendas e os meios de pagamento para o usuário.

Apesar de já existirem uma infinidade de formas de pagamento até os dias atuais, nenhuma se compara com o PIX, pois, devido a sua segurança e velocidade no pagamento, ele pode ser um excelente argumento de vendas para que as pessoas que possuem receio de realizar pagamentos pela internet, com medo de fraudes.

Além disso, para utilização do PIX, não é necessário que o usuário possua cartão de crédito ou de débito, facilitando o pagamento para aquelas pessoas que antes, só poderiam comprar um determinado produto caso ele fosse adquirido através do cartão de crédito.

Outra grande vantagem do PIX é que como ele é instantâneo e 24h por dia, ele pode acelerar o prazo de entrega para o consumidor final e também reduzir custos para o varejista. Com tudo isso, é bem provável que devido à grande diversificação existente nas soluções de pagamentos existentes hoje, o boleto seja cada vez menos usado.

Pix ecommerce - tendencias 2021

2. Compras personalizadas

Cada vez mais a personalização para o usuário pode ser um ponto chave para trazer melhores resultados e uma melhor experiência de compra, conseguindo também ser um grande diferencial competitivo em relação às outras marcas.

Dessa forma, algumas das maiores lojas virtuais, como a Nike, estão começando a permitir com que o consumidor possa personalizar praticamente todos os aspectos de alguns de seus itens, para que aquele produto seja único para ele.

Contudo, esse bônus da personalização deve ser acompanhado por uma boa gestão do e-commerce e operação, pois, caso o produto entregue ao cliente tenha algum erro ou não esteja da mesma forma com que ele personalizou no site, isso pode ser um grande problema na empresa.

Essa tendência para as lojas virtuais em 2021, não vai estar presente apenas no vestuário e na moda, sendo utilizada principalmente também para produtos de decoração e podendo ser integrado com tecnologias como a impressora 3D e a realidade virtual.

3. Voice Commerce em 2021

No mercado americano, cerca de 20% dos consumidores realizam compras de produtos, sejam eles digitais ou físicos, através de seus assistentes virtuais, como a Alexa, da Amazon e o Home, do Google Home.

amazon echo dot gen4 1
A assistente virtual Alexa Echo Dot além de automatizar várias tarefas do dia a dia, também permite a compra de produtos pelo marketplace da Amazon somente com comandos de voz

Dessa forma, devido ao elevado crescimento e desenvolvimento da tecnologia de reconhecimento por voz ao longo dos últimos anos, essa tendência também pode chegar ao Brasil, não é à toa, que cada vez mais, as pessoas estão realizando a busca por voz no próprio Google para encontrar respostas das suas dúvidas ou até mesmo produtos e lugares.

4. Re-commerce

O re-commerce é basicamente a venda em loja virtual de produtos usados. Existe uma grande preocupação em relação a sustentabilidade do planeta e ao consumo desenfreado de produtos, além disso, até os dias atuais, muitas pessoas se encontram com a renda menor do que antes da crise do covid 19, dessa forma, principalmente para aqueles que acabaram perdendo poder de compra, muitos acabaram por considerar em comprar itens usados.

Apesar de serem mais baratos, itens usados podem ser de grande serventia, principalmente para aqueles que não possuem condição ou demorariam um bom tempo para adquirir aquele determinado produto caso fossem comprar ele novo, dessa forma, celulares, eletrônicos, eletrodomésticos, móveis e até mesmo roupas e sapatos podem ser opções para as lojas virtuais.

Marketplaces como Enjoei e brechós online como o Troc estão cada vez mais em alta. Afinal o consumo consciente é um estilo de vida para muitos, principalmente para as novas gerações de consumidores.

troc
Troc: Startup já faturou mais de R$1 milhão em apenas 10 meses de existência.

5. Shoppable

Uma série de plataformas estão começando a possibilitar a realização de compras através de seus aplicativos ou QR Codes, sem mesmo o usuário acessar um marketplace ou baixar um aplicativo.

Um grande exemplo é a loja virtual, existente no Instagram, que tende a se desenvolver cada vez mais com o passar do tempo, outro exemplo, para o mercado americano foi o lançamento do NBC roled out Shoppable TV Ads, que permite que você possa ler o QR Code na tela da sua TV e com poucos comandos comprar o item que um protagonista da novela ou seriado estava usando.

A própria Netflix já prepara um lançamento em que o consumidor poderá adquirir itens exibidos nas séries e filmes que são mostrados na plataforma de streaming, podendo fazer isso através da leitura de QR Code.

Com essa facilidade, diversas barreiras de compra são quebradas automaticamente e o processo se torna muito mais fluido para o cliente, estimulando a compra do mesmo em apenas poucos passos.

Um bom exemplo de marca que já faz isso atualmente é a Amazon, através da sua compra com apenas um clique para usuários que já são cadastrados e já fizeram pelo menos uma compra em sua loja virtual, esse processo facilita com que a compra seja realizada e é um grande diferencial competitivo dentro do site da companhia.

6. Lojas virtuais interativas

Voltando a falar de realidade virtual, as lojas virtuais interativas são uma das maiores tendências do e-commerce voltadas para os nichos de vestuário e de decoração, pois o cliente poderá interagir com aquele determinado produto e poderá saber como ficaria com ele.

Essa é outra barreira que com este tipo de tecnologia pode ser quebrada, pois, principalmente para produtos nesse ramo, muitos gostam de “provar” ou ao menos ver como ficariam utilizando aquele determinado produto e, por meio do uso da realidade virtual, você poderá experimentar sapatos, vestidos e uma variedade de produtos, sem sair de casa.

7. Inteligência Artificial e Big Data

Estes dois temas são falados em quase tudo relacionado ao futuro e, para os e-commerces, eles não tinham como ficar de fora. A inteligência artificial e a Big Data podem ser utilizados para prever o comportamento dos consumidores dentro do site e para as lojas virtuais e proporcionar melhores experiências baseados nos hábitos de compras e em todas as informações que eles possuem do usuários.

Isso já é utilizado, principalmente na guia de “Recomendações” de diversos sites, mas tende a crescer e melhorar cada vez mais, proporcionando ao usuário uma experiência completamente personalizada e única.

8. Mobile Commerce

O acesso via internet e as compras feitas por smartphones são dados que crescem todos os anos, um dado que corrobora com isso é que o Statista afirmou que até 2023, 73% das compras serão feitas por meio de dispositivos móveis, incluindo celulares, tablets e outros.

Por conta disso, ter uma loja virtual que possua um site responsivo, “Mobile Friendly” e que proporcione uma boa experiência para aqueles que acessam a sua página através do celular, já é um grande diferencial atualmente e pode se tornar algo ainda mais relevante no futuro.

9. Assinaturas como modelo de negócio

Cada vez mais, os modelos de assinatura de produtos e serviços estão se popularizando, principalmente devido a seus baixos custos e a sua personalização. Dessa forma, é possível com que muitos e-commerces acabem migrando para clubes assinaturas, no qual os usuários são cobrados de maneira mensal, semestral ou anual e recebem produtos ou serviços de maneira regular.

Alguns dos principais exemplos de e-commerces com clubes de assinaturas são:

  • A Wine trabalha com vinhos como produto;
  • A YVY Brasil atua com segmento de produtos de limpeza a partir de diversos planos personalizados;
  • O clube da Giu é um dos maiores clubes de entrega recorrente de flores do Brasil;
  • O Leiturinha é um clube de livro focado no público infantil;
leiturinha

10. Chatbots e Conversational Commerce

O Conversational Commerce, conhecido por muitos como o “varejo de bate-papo” é uma das maiores tendências do e-commerce. Com o uso de IA (Inteligência Artificial), o atendimento ao consumidor é a grande aposta das empresas e marketplaces.

Com isso, os chatbots estão cada vez mais populares e sendo utilizados para um primeiro contato com o cliente, pois, este tipo de solução pode resolver pedidos menos complexos a qualquer hora que o usuário estiver navegando no site.

Dessa forma, muitos e-commerces estão aderindo a este tipo de solução com o objetivo de proporcionar uma redução de custos operacionais, um atendimento simples a qualquer momento para os seus usuários, ao mesmo tempo em que o comportamento e hábitos dos usuários no site se tornam mais previsíveis. 

Se você gostou desse conteúdo e dos tópicos que abordamos nele, não deixe de comentar e compartilhar ele nas redes sociais para que mais pessoas possam conhecer as tendências do e-commerce para o ano de 2021. Além do mais, queremos saber, para você, quais são as principais tendências para o e-commerce brasileiro em 2021?

Baixe Planilha de precificação para marketplaces grátis

Comentários

Vinicius Ribeiro

Vinicius Ribeiro

Gerente de Marketing no Magis5, mineiro apaixonado por inovação, tecnologia e transformação digital. Para falar com Vinícius, basta enviar um e-mail para vinicius.ribeiro@magis5.com.br